Resenha do Filme Escritores da Liberdade


Escritores da liberdade
O filme “Escritores da liberdade” traz em seu enredo importantes reflexões sobre a educação, bem como a importância do papel do educador no ambiente em que atua. A professora Erin Gruwell inicia suas atividades em uma turma de primeiro ano do Ensino Médio lecionando as disciplinas de inglês e literatura.
Ao chegar na escola, cheia de sonhos e ideais, se depara com uma dura realidade: violência, desmotivação, indisciplina e discriminação. Sua turma era formada por alunos de várias etnias, vindas de uma realidade social violenta e traziam consigo o estigma da exclusão, também sofrida dentro da escola.
No primeiro contato com os alunos a Senhora G, como passou a ser chamada na turma, utilizou o método tradicional, não atingindo os alunos que, desmotivados, apresentavam sérios problemas de disciplina.
Em uma tentativa de desenvolver um trabalho mais próximo à realidade dos alunos, Erin leva música para a sala de aula. Surpreendida com a reação agressiva dos alunos escuta afirmações como: “Você não faz a menor idéia do que fazer aí na frente”; “O quê você faz aqui dentro que muda alguma coisa na minha vida?”
Diante dessa situação e de um desenho que recolhe de um aluno, ela faz uma retomada colocando sobre o fato histórico que marcou a humanidade com a discriminação e a morte de judeus e de outras minorias: o Holocausto.
Esse episódio em sala de aula marca o primeiro momento de sensibilização, tanto para os alunos como para a professora, que compreende a dor dos alunos diante da realidade que vivem.
Certamente a instituição em seu contexto de ação não oportunizava momentos de aprendizagem, pois rotulava esses alunos, desacreditando seu potencial e não oferecendo recursos e apoio ao trabalho pedagógico, sendo assim, a integração era uma mentira, não ocorrendo na sua prática.
Buscando uma nova metodologia, a professora aplica um jogo que envolve perguntas sobre a vida dos alunos e colhe os primeiros resultados no seu trabalho.
Percebendo a necessidade de trabalhar os sentimentos diante de suas vivências, traz a proposta da construção de um diário, onde os alunos escreveriam sobre as coisas boas ou ruins que já viveram.
O investimento em leituras significativas, mesmo diante da falta de apoio da direção e coordenação pedagógica, traz resultados surpreendentes, sendo, então, realizado um projeto de literatura com o livro “Diário de Anne Frank”. O projeto envolveu atividades como visitação a espaços culturais, festa para arrecadação de verbas, escrita de cartas para a senhora que abrigou Anne Frank, o que culminou em um encontro dos alunos com a mesma.
Os alunos, além de passarem a se sentir parte integrante do processo de aprendizagem, colaborando com idéias para as aulas, começam a mudar sua vida, passando a fazer escolhas que fazem a diferença. Eis aí o grande papel do educador, ser um agente de transformação no ambiente que atua.
Os escritos dos alunos resultaram em um livro “O diário dos escritores da liberdade”, lançado nos Estados Unidos em 1999, e o trabalho realizado pela professora influenciou várias escolas no país.
Através dessa obra, podemos fazer uma reflexão profunda sobre a educação na atualidade, que muitas vezes está marcada pela falta de apoio e compromisso por parte de profissionais e de autoridades.
É necessário desenvolver um trabalho de resgate de valores, em que a diversidade seja percebida como uma riqueza e não como um empecilho do trabalho pedagógico. Devemos oferecer aos alunos atividades significativas, que venham ao encontro das suas necessidades, valorizando a bagagem trazida da sua realidade social.
Nesse sentido, a escola deve ser um ambiente acolhedor, onde todos se sintam comprometidos e valorizados. A busca pela superação do fracasso escolar é certamente a grande preocupação dos profissionais da educação na atualidade.
É necessário aos educadores, além de referencial teórico, promover um conjunto de ações que possibilitem trabalhar o aluno como um sujeito ativo no processo de ensino-aprendizagem, investigando e trabalhando as suas dificuldades, estabelecendo novas relações na busca do conhecimento.
Nesse contexto, surge a necessidade da presença de um profissional preparado para enfrentar esses desafios junto ao corpo docente e demais segmentos da comunidade: o supervisor escolar.
A supervisão tem um papel político-pedagógico e de liderança no espaço escolar. Atualmente se busca a construção de uma nova identidade supervisora, que atenda às demandas de um momento histórico que busca novas significações, e em que novos desafios se inserem no cotidiano das instituições de ensino. Esse profissional tem que se (re) construir; na sua identidade, auto-conhecimento, função social e profissional.
Falar de educação é falar de um compromisso que ultrapassa os muros da escola e acompanha o educador em todas as suas jornadas. O Exemplo de Erin Gruwell mostra-nos exatamente isso, o dever do professor para consigo mesmo de ir além das fronteiras do que lhe é formalmente exigido, buscando propiciar aos seus alunos uma formação verdadeiramente humana, nas mais variadas dimensões pedagógicas, éticas e afetivas que isso venha representar.
Angela Becker

16 comentários:

Anônimo 5:40 PM  

valeu! sua resenha me serviu como inspiração para cria a minha própria pro trabalho da escola.

Anônimo 3:55 PM  

PoOxa '

Me ajudou bastante a criar um texto com minhas próprias palavras '

Vlw mesmoOoo '

BjOooo '


(L)

Anônimo 4:55 PM  

muito bommmmm!!!!
Bjossss!!!

Anônimo 12:00 PM  

Resenha muito boa mesmo.Isso mostra que você entende muito de escrita.
PARABENS.
ABRAÇO.

Anônimo 2:42 PM  

Me ajudou um bucado tbm
so colei e boa =D

Anônimo 9:15 PM  

Sua resenha é muito boa, pois me ajudou a fazer meu trabalho de escola, parabéns

Abraço

Anônimo 9:47 AM  

ola,gostei da resenha

lidianin 12:13 PM  

nossa este filme me ajudou bastante aconhecer o quanto a professora trabalhou para pode faser daqueles alunos uns jovem valorizados

Anônimo 12:13 PM  

nossa este filme me ajudou bastante aconhecer o quanto a professora trabalhou para pode faser daqueles alunos uns jovem valorizados

lidianin 12:14 PM  

nossa este filme me ajudou bastante aconhecer o quanto a professora trabalhou para pode faser daqueles alunos uns jovem valorizados
bjosssssssssssssssssssss

Anônimo 5:36 PM  

Não somente gostar do que escreveu, mas quem vive essa realidade entra no contexto da história.Assisti esse filme e choquei porque é a verdade nua e crua da nossa sociedade e creio que o que irá fazer a diferença são os novos educadores sociais a qual pertenço educar é ter relacionamento é sensibilizar não somente ser meros trasmissores ter a melhor faculdade capacitar faz parte claro mas para ter respostas no meio devemos trabalhar com o humano.

Anônimo 7:48 PM  

SOU ESTUDANTE DO CURSO DE PEDAGOGIA E PROCURAVA NA INTERNET UMA IDEIA PARA RELIZAR UM PÔSTER SOBRE O FILME "ESCRITORES DA LIBERDADE". ESTOU ENCANTADA COM O SEU TEXTO, SUA CAPACIDADE DE ANÁLISE E SÍNTESE FOI INCRIVÉL...PARABÉNS...VOU ME BASEAR EM SUA RESENHA PARA FAZER MEU TRABALHO.

ABRAÇOS

Anônimo 6:22 PM  

Desenha muitoo Legal {Ta dii parabéns}
Me ajudou a fazer uma redação para o colegio;pois vi o filme e esqueci as partes principais :D Mas achei aki.

-Parabéns dii novo :D
-Beijinhus!!!!

Anônimo 10:57 AM  

amei sua resenha...ela realmente disse tudo o q queria saber..parabens
Deus te abençõe!

Djailson 10:25 AM  

Parabéns...Professora B,suas colocações são providas de um conhecimento invejável...se soubesse o quanto...foi importante... eu voltaria pra mim de novo...

ABRAÇOS.

Silne Passos 1:40 PM  

Muito clara e instrutiva.
Basta cada um fazer sua parte.

  © Template Desenvolvido por Ourblogtemplates.com 2008

Voltar para CIMA