Educação de Jovens e Adultos

Imagem: Educação de Jovens e Adultos - EJA


Educação de Jovens e Adultos


Atualmente se busca a construção de uma nova identidade no educador, que atenda às demandas de um momento histórico que busca novas significações e novos desafios se inserem no cotidiano das instituições de ensino. Esse profissional tem que se (re) construir, na sua identidade, autoconhecimento, função social e profissional. Nesse contexto surge a necessidade de um profissional preparado para enfrentar o desafio de uma nova realidade: a Educação de Jovens e Adultos.
A antiga prática do “Ensino Supletivo” era marcada por um processo de aligeiramento do ensino, não existia uma política nacional voltada para os jovens e adultos.
De acordo com Leôncio Soares “Estamos em um período de transição, onde uma nova concepção de educação expressa o direito para uma educação de qualidade” (2002, p.7). A EJA envolve uma diversidade de propostas e projetos, onde vários setores da sociedade se mostram envolvidos.
Atualmente existem cursos de formação de profissionais para trabalhar na área e em muitos estados a realização de fóruns para discutir as questões relacionadas à educação de jovens e adultos, buscando uma melhor qualidade de ensino.
Na EJA existe uma inversão da lógica curricular, não se trabalha com conteúdos mínimos, mas por área de conhecimento, com uma carga horária mínima para cada etapa chamada de totalidade onde o aluno desenvolverá várias competências.
A avaliação não é entendida como hierárquica ou classificatória, mas processual. Deve-se avaliar a totalidade. A avaliação deve considerar os tempos e formas subjetivas de aprender.
É o conselho de classe que avalia para ver se o aluno vai de uma totalidade para outra. A avaliação é expressa através de parecer descritivo, não existe nota. O parecer deve mostrar que o processo o aluno percorreu, sendo registrado os temas trabalhados em cada área do conhecimento. O aluno recebe o certificado de conclusão quando concluir essas etapas.
É através da formação continuada, garantida dentro da carga horária, que se desconstrói conceitos antigos e se constrói novos conceitos, trata-se de um processo lento, mais do que nunca torna-se fundamental a importância do trabalho interdisciplinar.
Temos na supervisão uma grande responsabilidade na coordenação do processo educativo na EJA, que juntamente com o restante da equipe deve ter maturidade, sensibilidade, um bom referencial teórico e firmeza para conduzir o trabalho junto ao grupo.
Assim é através do contato direto com alunos e educadores que o supervisor trabalhará as questões de aprendizagem, percebendo as diferenças existentes nos alunos como uma oportunidade de crescimento para todos, valorizando a bagagem de vida trazida pelo aluno.
Acredito ser fundamental que o profissional da supervisão esteja consciente de seu papel, refletindo constantemente sobre seu foco de atuação: a qualificação da ação educativa. Esse trabalho ganha um maior significado quando construído em conjunto, traçando, metas comuns, na construção diária, relacionando pedagógico e administrativo dentro da instituição escolar.


Angela Becker

2 comentários:

Silvana Marmo 1:30 PM  

Amei seu blog e gostaria de fazer parceria.
http://profcoordenadorpira.blogspot.com/
Silvana Marmo

Silvana Marmo 12:42 AM  

Olá!!!
Lá no Coordenadores Pedagógicos Blogados na Rede tem um Selinho para vc!!!
Com carinho
Silvana Marmo
http://profcoordenadorpira.blogspot.com/

  © Template Desenvolvido por Ourblogtemplates.com 2008

Voltar para CIMA